macio

há em mim um mar
que existe não pela água
ou pelo sol

nem suor
nem lágrimas

minha metáfora é mais contraditória

há em mim um mar
que existe
para que o vento
trazido pelas ondas
seque tudo que molha
que escorre

a maré subiu
e trouxe consigo
uma saudade diferente
longe do banzo
e da nostalgia

saudade que fortaleceu
o que ainda é novo
aqui dentro

saudade que eu mato
todos os dias
para que renasça de novo

não das cinzas
como o pássaro fênix
mas do próprio fogo
como uma chama que

eu não quero que apague


Nenhum comentário:

Postar um comentário