se você fosse um lugar, seria meu esconderijo

um campo coberto de flores com pétalas aveludadas
no meio da floresta protegido pelas árvores mais altas
um abrigo exposto ao sol inteiramente aberto
(você sabe que eu nunca me esconderia no escuro)

quando penso nisso e deito para olhar as nuvens
pequenas plumas brancas grudam na minha roupa

acho que estou sonhando
mas o que é o amor
senão a linha tênue
entre a realidade e a fantasia?

e se você fosse um pedaço de espaço
uma parte de mim moraria em você
mesmo com o corpo se deslocando sem querer
para tantos outros lugares automáticos

(mas isso já acontece
 não mudaria nada)

nem tudo está perdido

aliás, nada estará perdido
enquanto houver um único suspiro
em nome do amor

enquanto der pra dividir a vida
em um milhão de atos
e amar nos intervalos
pausando o espetáculo vazio

acho que mesmo as coisas boas
não são apenas boas
como naquele dia em que falávamos 
sobre o gosto ímpar do molho agridoce
ou como nossa briga
depois do jantar romântico 

é muita sorte 
que no fim de cada cena
eu acabe nos seus braços 
sempre acho que carrego
um bilhete premiado
um biscoito da sorte

mas é só a fé
falando mais alto que tudo
pra gente não esquecer
nem por um segundo
de acreditar em nós

afinal

nem tudo está perdido

sexta-feira,

enquanto saíamos do bar
para nos enrolar nas cobertas
alguém morria de frio

alguém era consumido por um buraco
que nasce dentro do peito
e se alastra por todo o corpo
destruindo a capacidade
de permanecer com vida
porque frio é físico
mas frio é falta,
e bastaria um abraço

deve ser esse o jeito mais solitário de morrer

"o brasil não está preparado pra tanto frio"

ainda bem que eu tenho você