tenho uma tendência crônica a desistir de tudo. às vezes desisto dos dias, sempre depois da metade. o sol de antes do meio dia ainda é forte o suficiente para o surgimento da esperança. desistir do trabalho é fácil. das pessoas, difícil e lento e em alguns casos beira à tortura. a insistência no sofrimento que dá vida sempre me acompanhou. a necessidade do belisco atestando a realidade. gosto de parar quando percebo que chegou. o primeiro fio de pensamento sobre a mais remota possibilidade de desistência. um esqueleto de argumentação, os embriões dos motivos tomando forma e o estopim. vamos jogar nas cartas qual será o estopim. os choques de personalidade, o sexo, a liberdade, a religião. uma grande razão para eventualmente voltar ao mesmo ponto. pronto. lembro de quando havia finais felizes e todo o texto caminhava para um rumo, de repente, mudava abruptamente de direção para regar a esperança. como quando eu não quero sair, mas desisto de última hora e coloco a roupa mais bonita pra te acompanhar. talvez ainda haja tempo para não desistir dos finais felizes. talvez ainda não seja hora de pensar no fim.