casca

0. introdução
se alguém disser que ama sua fraqueza estará mentindo. ninguém quer percorrer o universo incerto para além da casca dura que você passou anos construindo. por dentro sangra. por dentro não é tão bonito.

1. a lembrança
posso sentir o atrito. a pele do joelho raspando com força e acidentalmente no cimento do chão do quintal. na infância eram esses os tombos que agora servem de metáforas para outros maiores e mais doloridos não tão literais porém mais letais. passada a dor, havia a urgência e emoção em tirar a casca, matar a ferida. romper o curso natural de cicatrização e correr o risco de encontrar algo desagradável por baixo da crosta. ainda hoje carrego resquícios dessa urgência.

2. a camada
mas aqui entramos em outro ponto, que é na verdade o foco deste devaneio. a casca. a facilidade e a naturalidade com que fazemos isso na infância. coragem.

3. a origem dos tombos
grande parte dos tombos foi em momentos de alegria em que não era possível evitar o auto-atropelamento. pés se embaraçavam na pressa. a rapidez acompanhava a empolgação por qualquer coisa hoje idiota.

4. internato
ainda lembro como se fosse hoje. quando cheguei no colégio interno, fora os adventistas, as pessoas, no geral, eram conhecidas pelos seus erros. cada um foi mandado para lá por um motivo específico, para "consertar" alguma coisa. por causa dos nossos erros nos encontrávamos. estávamos todos no mesmo balaio-humano-errático. ainda estamos.