" Que as palavras que eu falo não sejam ouvidas como prece e nem repetidas com fervor, apenas respeitadas como a única coisa que resta a um homem inundado de sentimentos." Oswaldo Montenegro

Deus, por que é que as coisas continuam acontecendo dentro de mim? Enquanto o mundo lá fora dorme e as pessoas se movimentam inertes a si mesmas, sem reação, o coração como uma máquina, eu ando na chuva com o sapato dentro da mochila e penso a cada passo em coisas que não deveria pensar, penso em quem nunca tocarei novamente. Penso com ternura, quero que a ternura tome conta de mim e quero mostrar o quanto é bonito. Preciso compartilhar com urgência a beleza das coisas que sinto e vejo, por isso chego assim como quem bate na porta do desconhecido totalmente nu e recebe como única reação a porta batendo forte e se fechando de novo, após uma pequena abertura, após fitar rapidamente os olhos assustados que eu quereria amar. 

Energia desperdiçada com os últimos amores. Muita energia desperdiçada. Eu não caibo em nenhum deles, nenhum consegue me compreender. Na maioria das vezes sequer há vontade de compreensão, a desistência rouba a cena dos inícios. Mas mesmo quando existe vontade, falta percorrer o caminho certo, falta entender a importância das palavras nesse eu, meu. Escute o que digo, sinta meu cheiro, toque em meu corpo, olhe em meus olhos e avance uma casa a caminho da compreensão. Ou então não faça nada, esqueça a carne e apenas leia. Leia o que escrevo, leia as entrelinhas e as cartas e os livros que eu der de presente. Metade de mim é palavra.  

Amanhã o mar chorará de manhã, pegarei o primeiro avião depois que o sol nascer e a ausência de meu amor, esse amor que aprendi a sentir por Salvador, será sentida. É incrível como os sentimentos mudam a cada chegada e partida, não estou mais ansiosa, apenas a saudade de casa me faz querer sair daqui. Estou convicta de que em termos amorosos, Goiânia não me acrescentará em nada, uma vez que não há novidades e nenhuma das pessoas que passou por mim segurou meu coração dentro das próprias mãos, ainda que todas o tenham tocado. Mas os toques, esses toques amorosos, são diferentes dos toques da carne humana, onde as bactérias se juntam cada vez mais como em um corrimão de ônibus. Os toques no coração são sinônimo de força e bondade, nos calores acumulados há cada vez mais amor e mais capacidade de amar. Corações intocáveis são grandes pedras de gelo que deixam o corpo inteiro com frio.

"Porque metade de mim é abrigo
E a outra metade é cansaço"

Nenhum comentário:

Postar um comentário