um abraço para que eu me sinta em casa

não basta a novidade, a liberdade
o berimbau no braço
a pele morena

não basta a abertura, o sorriso
as caminhadas
a orla flutuando sobre meus olhos

mais do que receber, quero me dar

a quem farei declarações?
jogarei poemas ao mar?
devo enterrar na areia a vontade de me doar?

bastaria o calor humano
noites em chamas
dias molhados de saliva e suor

eu não vou me prender a lugar algum
onde não haja alguém que me faça sentir
que me aguce o sentido, que me tire o sentido
que me cause vontade de viver e de morrer

meu coração é uma âncora em mim
que não vai se afundar sozinha
que vai ficar aqui pesando, enferrujando
enquanto não houver companhia
que compense a profundeza
da permanência nesse lugar

salvador, me salva dessa solidão
ou eu pego o próximo vôo
entro em qualquer avião
me jogo na paralela
me afogo na água parada

bahia de todos os santos
responde meu pranto
me encanta de novo
me afaga em teu seio
me abriga, me dá morada

entende que hoje
é ficar ou partir
ir de encontro ou fugir
hoje é tudo ou nada

Nenhum comentário:

Postar um comentário