voluntariamente

me tornar refém de ti, de mim
do nosso amor que nem sei a quantas anda
mas sei que está aqui, aí
dentro, quem sabe, do nosso coração
metade de mim alça voo agora
enquanto a outra parte permanece
sobrevive e espera
pelo próximo encontro
pela morte da saudade
que já mora em mim