declaro minha independência.

levanto bandeira branca aos inimigos íntimos, mas nenhuma ternura me faz querer ficar. reconheço a impossibilidade da pureza do amor e deixo minha urgência no meio do caminho. não há cheiro que me tire daqui, não há respiração que mude meus pés de lugar. permaneço vestida dos pés à cabeça. outrora escalava montanhas, me ajoelhava, escrevia por alguém. agora escrevo para me sentir viva, mesmo sem saber se a vida compensa. desisto de me despir pelo frio que vem depois. finjo, de uma vez por todas, que sou independente. ainda não aprendi o significado de acordar com os pés fora da cama. talvez eu ainda caiba em mim, tão perfeitamente, que não caiba mais ninguém. 

só os bobos escalam montanhas para caírem do topo.