da série "as promessas que cumprirei se você me/nos/se permitir

Amar-te-ei e não te deixarei passar. Serei teu rumo e teu não saber para onde ir. Salvarei o mundo por ti e salvar-te-ei da infelicidade do fim dos dias. Não me cansarei de te olhar e teus olhos estarão comigo tanto na aflição habitual quanto na rara calmaria. Continuarei te avisando sobre a beleza da lua e das coisas banais. Não deixarei que teu espírito geminiano se afogue no tédio e dar-te-ei meu coração, não como as flores mortas dos buquês ou a efemeridade dos chocolates que desaparecem em uma mordida, nem mesmo com a preciosidade das joias caras. Dar-te-ei meu coração como quem dá a alguém a própria vitalidade, como quem deseja misturar os sangues e os destinos e os batimentos e as pernas embaixo do edredon. Nosso amor será como som para cegos ou luz para surdos. E eu te farei feliz com toda a força e com toda a fraqueza que há em mim.

Um comentário: