Despindo-me

Eu quis vestir você. Porque até os seus defeitos eram interessantes demais perto dos meus. Quando eu olhava nos seus olhos e via neles o filme mais fantástico do mundo, minha vontade de ser protagonista só crescia, vontade de ser seu par, seu par romântico para o resto da vida. E eu sabia que esse desejo era certo e não mudaria tão cedo, pois quando alguém lá de fora me decepcionava, me assutava, quando a chuva batia forte demais no telhado, era para os seus braços que eu corria e só então me sentia segura, amparada, amada por você. Somente com você. Eu quis que cada verso que saia da sua boca fosse mais do que dedicado a mim, quis que eles fossem parte de mim e é por isso que apesar de ter rasgado todas as cartas, os melhores eu sei na ponta da língua. Tentei imitar sua forma de falar, de se vestir, e quando ficava sozinha em casa, me via desfilando com suas roupas - largas nos ombros - olhando em cada espelho, imitando as feições que você tinha feito no dia anterior, durante uma conversa banal ou um trânsito violento. E quando os encontros se tornaram menos frequentes, eu não podia mais me vestir do nosso amor, não dava mais pra ser você, assim, descaradamente. Tive que me contentar com o furto de pequenos objetos. Objetos que eu tentava tragar quando você ia embora, para sentir o cheiro que muitas vezes nem existia. Hoje sei que esses furtos fazem parte do que sobrou de nós e são talvez a única prova concreta que restou do crime perfeito que você cometeu ao roubar meu coração.

3 comentários:

  1. vai se foder vc escreve bem demais afilhada =***

    ResponderExcluir
  2. ah, BTW, você foi presenteada http://zeabrao.blogspot.com/2011/03/selo-de-qualidade-caderneta-azul.html

    ResponderExcluir