estou perdendo o jeito

é tudo que consigo pensar
quando você dorme ao meu lado
e não tiro sua roupa

observo a vida do vigésimo terceiro andar
e só posso escrever sobre o que vejo
desde que tomei uma distância segura
desde que assumi as rédeas de mim
a literatura se tornou algo distante
estou torcendo um pano seco
quero as palavras mas não quero me molhar

de qualquer forma é um caminho
uma possibilidade
tudo tem seu preço mas nada é tão irreversível
até a surdez do beijo na orelha passa
e a ponte que durante o carnaval
abre mão dos carros e recebe os passos lentos
de quem vai em busca da felicidade

é só o que queremos
e se o amor nos parece um atalho
por que não?