carne da minha carne

volto a escrever uma carta depois de tanto tempo me concentrando na poesia. minha descrença vem da ideia de que qualquer tipo de prosa é um conjunto de explicações e justificativas íntimas demais para despertarem em alguém o desejo de serem lidas. mas afinal, nem todos os escritos são, em essência, para serem lidos. alguns, como esse, não passam de salvação para quem os escreve. creio que a aproximação está cada vez mais rara, quanto mais o interesse por aquilo que é tão particular. mas no auge de meu egoísmo e desespero te escrevo para dizer que passei a tarde em exercício doloroso de tentar desvendar teu silêncio. escrevo também para dizer que estou aí, não aqui. sei, muito antes daquela manhã, muito antes de senti-lo bater no meu peito direito, sobre a bondade do teu coração. reconheço o valor do teu sorriso muito antes de querer que fosse nosso e querer que fosse nós a causa da tua alegria. "ah, quem me dera eu pudesse ser a tua primavera", porém não me interessa mais ser a causa de nada, contanto que sorrias como quando beijei tua barriga. contanto que sorrias todos os dias, tão natural quanto tua beleza. e se voltares atrás, nada farei. nada farei pois não há nada que alcance o livre arbítrio humano. queria ser eu silêncio, calma, e tudo mais quanto exigisses de mim. queria ficar em meu canto, calada, contemplando em paz a espera. mas sou esse desespero, essas tantas palavras, essa sede por um sinal de vida teu, por um carinho teu. "sou louca por você" tenho dito todos os dias como tentativa de declarar meu amor. a verdade é que te quero com toda minha lucidez, nua e vestida. quero que seu coração despido me aqueça feito fogo que nasce do atrito entre dois corpos. e que o meu coração quente nunca te deixe sentir frio. mas há ainda o mistério, o tempo que não passa, e essas distâncias nunca medidas com exatidão. nada posso fazer senão te esperar com a calma que não possuo, com a saudade que corta e dói. desejei até que secasse meu sangue, porque o amor que sangra por dentro dói mais do que todas as feridas. mas vou deixar que corra tudo, a corrente sanguínea, a vida, os nossos destinos, que quiçá se entrelaçarão no final. não se vista de nada, seja meu amor nu, no topo do mundo, a ler meu corpo. enquanto te escrevo em silêncio poemas como esse:

no topo do mundo
ela lia meu corpo
e eu absorvia
sua língua, seu mel

no alto, mais alto
minhas curvas em braile
cheiro de fôlego
e gosto de céu

o mundo era nós
e tudo era nosso
a vida restrita
a um quarto de hotel

sei que o topo do mundo é estreito, e que do alto mais alto sei cai. mas confia em mim como confio em ti. me abraça forte, me beija, me afaga. me embrulha em tua pele. e não se esqueça, sou contigo, estou contigo. só assim permaneceremos n'altura das nuvens e o alimento do amor será também o alimento da vida que queremos levar. 

com amor e saudade,
da sua.