Salvador, 11/11

Não sei controlar o que escrevo. Não consigo me livrar da ternura e da compaixão que demonstro nas palavras. Olhos nos olhos e emano calma, observo com cautela os diálogos e espero a hora certa de falar, desconfiada, ajo como quem está de fora. Se preciso, fujo com frieza, desvio olhares, abraços e beijos, finjo uma segurança que não me pertence. Mas não na escrita, sou sempre doce e me esforço o tempo inteiro para não dizer tudo, para deixar que uma ponta de mistério sobreviva e dar a impressão de que ainda estou no jogo, quando na verdade já me entreguei. Minha única dureza ao escrever é o silêncio, que só aparece após a desistência. Deixar de escrever é a maior prova de que não me toca mais, não me interessa mais e definitivamente passou. De fato estou triste, de fato me sinto só, mas às vezes dou aos fatos uma grandiosidade maior para comover e receber abraços afetuosos como o que recebi hoje de manhã. Não houve cena nem fingimento algum, desci as escadas desabando por dentro, mesmo depois do abraço, mas entenda que a afetuosidade, a generosidade e sentir um corpo no meu como proteção me faz realmente forte. Só assim eu consigo continuar. Todas as paisagens do mundo são vazias se não há amor e compartilhamento. Tenho tentado compreender o que estou vivendo aqui porque sei que só através da compreensão serei capaz perceber e absorver as coisas boas e o aprendizado em seu mais alto nível. Minha vida está parada, não tenho mais que cumprir horários, enfrentar o trânsito ou me preocupar com outras pessoas. Eu sou minha única responsabilidade agora e talvez por isso minha alma esteja um turbilhão, porque não há para onde fugir, não há nada que desvie o foco. Para qualquer lugar que eu olhe, vejo apenas minha própria face. Finalmente à sós, parada no tempo e no espaço, pronta e receptiva a qualquer crescimento que seja. Tenho vivido um parto diário, um trauma por dia, são raras as noites em que não choro antes de dormir mas a consciência impede que eu me afunde em solidão. A consciência de saber que tudo é dolorido demais, porém se faz necessário porque é fruto de uma escolha, a escolha de ir além da mesmice, do comodismo, do conforto, ir além da mediocridade de ter tudo nas mãos antes mesmo de querer de verdade. Meu desejo pela evolução interna é tão grande que a vida traçou alguns caminhos por mim.  Sou grata pelo amor que me acompanha aqui, o amor que não escolhi mas que surgiu como uma estrela única em um céu negro. Um amor para o qual estou terminantemente proibida de demonstrar fragilidade e tenho que fazer com que os sentimentos soem leves até quando não o são - sempre. Que me ajuda a achar meu equilíbrio e a encarar as coisas como mulher forte que sou. Um amor que não responde todas as minhas perguntas e que não diminui o frio das minhas noites mas que está comigo do seu jeito. Jeito generoso que me abraça de manhã como quem diz "estou aqui" em um silêncio lindo e puro e mesmo assim me causa medo, me faz sair correndo do abraço temendo algo que ainda não descobri o que. Ainda acho que tudo que é verdadeiro arde, queima e fere, mas tenho aprendido a conviver com isso de forma com que a vida não seja uma tortura constante. Finalmente estou diante da vida sem tanto desespero e espero que isso diminua a velocidade dos dias, pois a horas não passam mas as folhas do calendário estão voando em uma velocidade sobre-humana. Pelas ondas, pela areia, pelas paisagens vazias eu não me importaria, confesso que estou preparada para viver longe do mar. Meu despreparo tem outra origem. Do lado esquerdo, no mesmo lugar onde brotam todos os outros sentimentos.  

3 comentários:

  1. Fico muito ansioso por sua próxima aparição quando você fica muito tempo sem postar e até temeroso de que a última tenha sido a de fato a última. Sei que seus textos são movidos a sentimento - assim como você -, e por mais que você descreva com maestria até os sentimentos mais dolorosos eu te desejo todos os melhores sentimentos do mundo!
    Com carinho, do seu fiel leitor.

    ResponderExcluir
  2. Seus textos são lindos! Cada um a sua maneira, mas todos com sua essência. Esta que por sinal é uma das mais puras e verdadeiras que consegui captar. Sua beleza é incrível, e o dom que você tem de escrever, só te deixa ainda mais interessante, me faz te querer por perto e te dar todo meu amor. Sendo platônico ou não, e eu espero que não, saiba que sempre terá uma admiradora que estará disposta a te fazer feliz!

    ResponderExcluir