Antes que eu seque essa garrafa de vinho

ela há de perceber os sinais e me fazer um convite. Um cinema, um bar, qualquer rumo, fumo ou falta de. Antes que, por influência da embriaguez, eu derrube no chão o pouco líquido que ainda resta, ela há de buzinar de dentro do escuro do carro, com as mãos geladas, molhadas de suor, e eu hei de descer as escadas tomada pela euforia, alforriada de tudo que me prende em casa. Antes que eu termine esta última taça ela há de vir.