Ó METADE AFASTADA DE MIM

Começo o ano com coragem
dando liberdade ao coração.
Te sigo mesmo sabendo que és armadilha
e me consumirás em pouco tempo.

Tu e essa distância me transformarão em carne e osso.
Os astros me iludem dizendo que sou de ferro,
coloco janeiro nas mãos como filha mimada que sou,
filha do mundo. 

Detalhes, eu preciso falar sobre os detalhes...

Vais acender o cigarro
e vais fumar na janela observando as pessoas lá fora.
E eu vou continuar na cama
esperando que depois tu queiras voltar para os meus braços.

De braços abertos, na cama, vou te esperar.
e torcer para que em uma noite não tenhas enjoado de mim,
e estejas disposta a esquecer os que passam lá fora
e olhar de novo para dentro de nós.

E se voltares e me fizer de travesseiro,
eu apoio tua cabeça e tudo mais que lhe pesar. 

Um comentário: