poema sujo

nos ponteiros do relógio achou a coragem que lhe faltava e desistiu enfim do sonho de adolescência
 pela consciência de que nenhuma vontade é tão grande para manter sozinha a vida de um amor
deixou a ilusão morrer à míngua e durante o luto só chorou de amargura e gratidão
aceitando a própria inocência como um sinal vital verdadeiramente belo
descobriu que algumas dores não tem sequer licença poética
mas andam por aí como se fossem permitidas
fez um poema sujo disfarçado
palavreando cadenciado
para esconder
a sujeira
do 

Um comentário: