bloco da solidão

Em pensar que noutros carnavais já desfilamos no mesmo bloco
E que antes de você a solidão já foi uma boa companhia
Já não me prendo a ninguém
Descobri que a única prisão imposta ao ser humano é o ódio
Mas ainda quero amor, como sempre quis desde que vim ao mundo

Dê-me um pouco de amor e dar-te-ei meu tempo, meu carro, minha casa, meus beijos, meu corpo, meus poemas
Promessas, momentos, carinhos, presentes, dinheiro, paixão, cartas, nada importa
Quero mais que isso

Só o que peço é amor
Dê-me um pouco de amor e dar-te-ei a minha vida

Hoje eu precisei de proteção e mais uma vez tive que inventar meus próprios escudos
Quero mais que isso

Quero ausências que virem inexistências
E uma mala onde caiba tudo
Os últimos desejos, as inúmeras despedidas
E o meu passado torto que vive me tirando da linha
Quero mais que isso

Que o vazio me mate de vez
Porque viver assim é pior do que morrer

2 comentários:

  1. eu li esse texto ouvindo uma música linda. que dádiva dos deuses foi isso!

    ResponderExcluir
  2. pra te falar a verdade, acho que tô começando a gostar de ficar sozinho. É melhor do que ser feito de idiota.

    ResponderExcluir