sobre a melodia silenciosa da solidão

Me livrei dos meus escritos uma vez na vida. Até hoje me arrependo e tento recompor em pensamento cada uma da palavras que rasguei. Foi durante minha pequena estadia no colégio interno, uma das preceptoras me convenceu de que tudo aquilo era impuro demais para continuar nos meus cadernos, nas minhas gavetas, em mim. Entreguei tudo a ela e me senti mais leve, com a impressão de que tinha renovado a alma. Ela não sabia e eu também não, mas o silêncio não cura impurezas. Não falar para fora nos faz falar para dentro. De um jeito ou de outro a coisa tem que sair. É assim com o amor, com o sofrer, com o dizer, com o viver. Vezenquando vivo para dentro e me sinto bem com isso. E assim foi, naquela época, quando passei a dizer tudo que sentia só para o meu inconsciente. Transformando os gritos em suspiros, emudecendo o próprio coração. Hoje eu entendo o que Cazuza quis dizer com a "pureza impossível". Não há nesse mundo quem não seja impuro. É o gênero, número e grau de impurezas que nos difere dos outros. No fundo, ser puro é um tédio. Ser puro é ser ninguém. No fundo, ser puro é não ser.

Aqui vai um dos meus textos preferidos, que estava no acervo do qual me livrei. Não lembro exatamente cada vírgula do original e lamento muito por isso. Mas era mais ou menos assim:

Como uma música com a qual você se simpatiza quando escuta pela primeira vez. E quando para pra analisar, vê que seus instintos não te trairam, já que tal letra e melodia formam o conjunto mais perfeito que seu corpo já presenciou. Não só o corpo, mas a alma, o coração. E agora, mesmo que você queira se livrar dela, será impossível, pois ela está em você. Desde o dia em que invadiu seus ouvidos te fez recompor em silêncio cada nota, cada som. Mesmo que você não saiba o nome, ou de onde veio, é tarde demais para desafinar. É tarde demais para sair do ritmo e errar o tom. Você não canta, nem toca, nem ouve. Você é a música.

for my yellow eyes

Reclamo de um em um minuto sobre a sua falta de atenção. Depois me arrependo, peço desculpas, e tento de novo ser a mulher pefeita pra você. Ainda é domingo e já planejei minha semana inteira. Queria que você rasgasse minha agenda, estragasse meus planos, entrasse na frente do meu carro e dissesse que tem algo melhor em mente. Há moços lá fora que se interessam pela minha carência. Há moços lá fora que me dariam amor e sexo e beijos e carinhos e tudo mais que eu pedisse a eles. E me achariam perfeita mesmo que eu não fizesse esforço algum. Mas são seus olhos, amarelos, iluminando mais do que esse sol aberto. Eles me prendem aqui. Suas as mãos tímidas que não me agarram com força. E o seu sorriso que ama me ter por perto. Só você não sente, não vê. Eu também não sinto tanto assim, apenas gosto de tecer ilusões. Apenas gosto de você.

mudança de clima

Hoje o sol cessou e o dia amanheceu nublado como eu. Nas nuvens, a chuva. Nos olhos, as lágrimas. Ambas insistindo em não cair, ambas causando aos observadores aquela angústia, de quem está na iminência de desabar mas tem que permanecer firme. À noite sonhei com você, me abraçava tão forte que me faltava ar. Abro um livro, ainda na cama, que fala de alguém com nome e signo iguais aos seus. Fecho o livro e me pergunto se você é um daqueles caminhos errados, que Deus nos afasta mesmo contra a nossa vontade. Ainda não sei a resposta, mas no fundo deve ser mesmo isso. A gente escolhe nosso próprio destino, se sente dono do mundo, dono de si, e pensa que é simples assim. Eu desistiria de escrever pra viver uma vida tranquila ao seu lado. Mas por enquanto continuo aqui. Sentindo, bebendo, explodindo, doendo, vivendo, escrevendo palavras.

a última chama da eternidade

Ninguém nunca vai ocupar o meu lugar e você vai sentir minha falta até o último dia da sua vida. E vai enlouquecer de tanto imaginar como teria sido se você não tivesse tomado essa decisão idiota de me deixar sem porquê.

Foi minha última fala antes de fechar a porta e ficar sozinha do lado de dentro daquele apartamento frio. Queria que fosse bonita, que fosse verdade. Mas foi só mais uma frase de efeito, típica de quem é deixado e faz qualquer coisa pra chamar a atenção, pra prender junto ao peito quem tanto se quer. Ela tinha muito medo, e me chamava por nomes carinhosos mesmo diante de tudo que acontecia. Toda aquela cena era pior que filme de terror. Era pior porque eu já sabia o final, e ele era assustador. A gente tem medo de encarar a realidade, mesmo que seja doce e bonita. Viver às vezes é um grande desafio. 
Me falou sobre tantas vias de mão dupla que atravessavam nosso relacionamento, e no final eu nem sabia mais o rumo da conversa. Só conseguia pensar que amava a  mulher mais corajosa do mundo, por conseguir viver com o peso da culpa de ter deixado pra trás um grande amor. Eu não conseguiria, nunca. Tenho Vinícius em mim, mas dou a impressão de ser eterna. E queria mesmo ser, de verdade. Se a única eternidade da minha vida não tivesse saído pela porta ontem à noite, quem sabe. Agora vou entrar no Soneto de Fidelidade e prometo ser fiel a mim, como não fui a ninguém. Como só fui a ela. A vida é uma chama que um dia se apaga. Por isso deixe queimar, deixe que consuma. A morte já é branda demais.

evolução mensal


Finda agosto e tá tudo seco demais, inclusive meu coração. E uma saudade do poetinha, de viver, sofrer, sentir com ele. Deu saudade de ler minha vida num poema e acordar no meio da noite e ler de novo só pra lembrar que eu ainda tô aqui, que eu ainda existo. Deu vontade de sambar além do samba. Sobre o amor que toca, fere, mata, não sei mais nada. Se reencontrei meus olhos numa mesa de bar e achei minha dança sozinha no palco, para setembro restou o desejo de perdição absoluta. Para setembro restou o desejo de morrer de tanto amar.