quase um verso

Não há espera, não ao desespero
Hoje não é tão doce

Queria que houvesse nós
Tu e eu, assim..
Sem pesar, 
Nem pensar 
Em ser nada.

Quereria te ter assim
Sem saudade
Só vontade saciada 

Desconversa minha rima
Que à noite me despeço
E não meço mais as batidas do seu coração

Eu prefiro qualquer coisa à solidão.

2 comentários:

  1. e aquela coisa de antes só do que mal acompanhado? É não tem um lado bom.

    ResponderExcluir
  2. que problema há se você consegue escrever sobre a mesma coisa de mil maneiras diferentes? é amor no poema, na rima, no texto "normal" ou, até mesmo, nas suas pequenas frases. Eu nunca vou me cansar de ler o amor segunda as palavras da Bárbara :)

    ResponderExcluir