why?


E de tanto amor dentro do peito, acabo por não poder dizê-lo. Aprendo, portanto, a guardá-lo, seja em diários, gavetas, ou até mesmo em mim, nos dedos que coçam com sede de palavras. Digo a eles que não é assim tão fácil, que há liberdade de expressão e também a ausência dela, tão responsável pela sede quanto a cachaça um dia antes da ressaca. O único risco verdadeiro nisso, é de o corpo se acostumar a ficar com tudo, o sentimento, a coisa toda, e depois sentir demasiada dificuldade em passar aos outros. Justo nesses tempos, de vazio, de banalidades, superficialidades, da falta de algo intenso. Os tempos são de carência, gracinha. De falta, incompletude. Seria uma perda enorme para o mundo, confesso. Tanto amor exaltado em segredo. Tanta coisa boa não compartilhada. Tudo dentro, nada fora. E eu aqui, querendo gritar.

Um comentário:

  1. então grite... poi so vocc sabe a hora certa para se expressar... medo é isso que cerca o nosso coração... tememos as incertezas que se abatem sobre nos, como uma gaiola a se fechar cada vez que encontramos com algo desconhecido...o medo faz a gente recuar e asim se fecha para uma das melhores coias da vida, que é AMAR... BEIJOS!!!

    ResponderExcluir