coração encharcado

É água demais e sol de menos.
Não dá pra secar a chuva dos olhos, não dá pra aquecer o coração.
Quando olha para o lado e vê tantos escombros, minha casinha de madeira já não se lembra do quanto é forte.
Ela se esqueceu de que algo bem maior que o mundo a protege.
Proteção eterna que independe de crenças, memórias e momentos.
Tenho medo quando o vento acelera, quando a tempestade vem.
Faz frio demais, aqui, sem ninguém.
Só o amargo do cigarro com o doce do licor, a única metáfora cabível.
Que supera o superlativo dito na beira do engasgo involuntário.
Supera a falta e o olhar desconfiado.
Tá difícil de entender, eu sei.
Mas não complique ainda mais o meu amor.
Ele existe, basta.
Enxugue um coração encharcado que já não aguenta mais chorar e volta.
Mas vê se volta pra ficar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário